Conteúdo

Chacina deixa cinco mortos e 15 feridos em Belém (PA)

Qua, 07 de Junho de 2017 12:04 Sinasefe
Imprimir PDF
Uma chacina deixou cinco mortos e ao menos 15 feridos no bairro Condor, em Belém (PA), por volta das 21h desta terça-feira. Os assassinos estão foragidos.

Testemunhas disseram à polícia que homens encapuzados em três carros fecharam um trecho da Rua Nova II e dispararam vários tiros contra pessoas que assistiam a um jogo de futebol em um bar. Após o crime, os assassinos fugiram.

Três pessoas morreram no local e duas estão em hospitais da região, segundo informações do CIOP (Centro Integrado de Operações) da Polícia Militar. O nome das vítimas não foi divulgado.

Outras quinze pessoas ficaram feridas, entre elas uma criança de quatro anos, e foram levadas a três hospitais. O estado de saúde dos feridos não foi informado.

Uma equipe do Graesp (Grupamento Aéreo de Segurança Pública) fez buscas no bairro para localizar os assassinos, mas nenhum suspeito foi preso até a madrugada desta quarta (07).

O caso será investigado pela Delegacia Seccional da Cremação.

Fonte: Folha de São Paulo
 

Por 14 a 11, comissão aprova relatório de reforma trabalhista

Qua, 07 de Junho de 2017 11:44 Sinasefe
Imprimir PDF
Base governista sofre, mas consegue aprovar texto. Oposição critica relator por ignorar emendas e diz que texto é nocivo ao trabalhador. Projeto passará por mais duas comissões

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado aprovou no início da noite desta terça-feira (6), por 14 votos a 11, o relatório sobre o projeto de "reforma" trabalhista (PLC 38). O colegiado também rejeitou destaques e emendas. Antes de ir a plenário, texto terá de passar ainda pelas comissões de Assuntos Sociais (CAS) e de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Casa.

Durante a sessão, que começou às 10h e terminou por volta de 19h, mesmo senadores que disseram ver pontos positivos se pronunciaram contra o projeto. Houve crítica mesmo de parlamentares identificados com o Executivo. A rigor, nenhum se manifestou a favor. Vários criticaram a postura do relator, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), que não acatou nenhuma emenda. Para evitar retorno do texto à Câmara – aprovado em abril como PL 6.787 –, ele apenas sugeriu vetos que seriam feitos pelo presidente Michel Temer, mediante "acordo" com o governo.

Kátia Abreu (PMDB-TO), por exemplo, disse que não era "carimbadora da Câmara". Já Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) afirmou que Ferraço abria mão de sua prerrogativa de legislador.

Paulo Paim (PT-RS) lembrou de debates entre "abolicionistas" e "escravagistas" e reafirmou que ninguém havia se manifestado a favor do PLC 38, mas mesmo assim o projeto era aprovado. "Não entendo como a Casa revisora se recusa a fazer mudanças que considera obrigatórias." Para ele, agora não poderá haver "atropelo" na tramitação da matéria na Comissão de Assuntos Sociais. "Dou um voto de confiança antecipado à senadora Marta Suplicy (PMDB-SP)", acrescentou, referindo-se à presidenta daquele colegiado.

"Eu me sinto totalmente constrangido em votar a favor dessa matéria", afirmou Otto Alencar (PSD-BA). "É a primeira vez que eu vejo uma matéria vir da Câmara dos Deputados e o relator, senador Ricardo Ferraço, que me supreendeu, recomenda que o presidente Michel Temer vá vetar ou mande uma medida provisória", acrescentou, lembrando ainda do julgamento da chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior do Eleitoral, a pedido do próprio PSDB – partido que, segundo Alencar, está "com o pé em duas canoas", já que agora é governista.

Ele se referiu ao líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), como "primeiro-ministro" do governo Temer. "Vamos tirar essa matéria de pauta, primeiro-ministro. Essa matéria não vai livrá-lo (ao presidente) dos problemas que ele tem com a Justiça", afirmou.

Entre as emendas apresentadas, a senadora Vanessa propôs vetar o item que possibilita à mulher gestante ou lactante trabalhar em ambiente insalubres. Quase gritando, Jucá disse que o tema seria vetado por Temer. "Essa matéria está resolvida", afirmou, no esforço para evitar emendas e, com isso, garantir que o projeto não voltasse à Câmara. No final, a emenda foi rejeitada, também por 14 a 11.

J
osé Serra (PSDB-SP) afirmou que votaria com seu partido, e propôs que o governo formalizasse, por escrito, quais são as mudanças a serem feitas no projeto via medida provisória. Ele criticou o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central por ter sinalizado com um andamento em ritmo menor da queda de juros, por causa da tramitação mais lenta das reformas. "Com isso, o que fazem é dar dimensão a essa crise. Ou seja, jogando contra, gol contra", afirmou. Para Serra, a questão central da economia é reduzir os juros.

Nesse ponto, ganhou apoio de José Pimentel (PT-CE). "Não é na relação trabalhista que está o problema da nossa economia", disse o senador petista, acrescentando que o país chegou a ter "pleno emprego" em período recente, com a mesma legislação que agora é questionada.

Líder do PMDB no Senado, em conflito com o Planalto, Renan Calheiros (PMDB-AL) disse ter defendido com o governo um "pacto, acordo, consenso, para fazer todas as reformas que o país precisa", em vez de aprovar um projeto como o de hoje. Segundo ele, o custo do trabalho não é o maior entre os custos de produção. "Era muito melhor que aproveitássemos esta circunstância, aprovando flexibilização e aprofundando a crise, e construíssemos um pacto pelo interesse nacional".

Para Ferraço, que também será o relator na CAS – ou seja, deverá seguir o padrão –, o projeto irá a plenário no final do mês. As centrais sindicais aprovaram nova greve geral, contra esta reforma e a da Previdência, para o dia 30.

Fonte: Rede Brasil Atual
 

Atlas da Violência 2017 escancara mais uma vez o racismo: negros e jovens são as maiores vítimas

Ter, 06 de Junho de 2017 11:15 Sinasefe
Imprimir PDF
De acordo com o estudo, a população negra, jovem e de baixa escolaridade continua totalizando a maior parte das vítimas de homicídios no país

O Atlas da Violência 2017, lançado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e o pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública nesta segunda-feira 5, revela que homens, jovens, negros e de baixa escolaridade são as principais vítimas de mortes violentas no País. A população negra corresponde a maioria (78,9%) dos 10% dos indivíduos com mais chances de serem vítimas de homicídios.

Atualmente, de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras. De acordo com informações do Atlas, os negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças, já descontado o efeito da idade, escolaridade, do sexo, estado civil e bairro de residência.

“Jovens e negros do sexo masculino continuam sendo assassinados todos os anos como se vivessem em situação de guerra”, compara o estudo.

Outro dado revela a persistência da relação entre o recorte racial e a violência no Brasil. Enquanto a mortalidade de não-negras (brancas, amarelas e indígenas) caiu 7,4% entre 2005 e 2015, entre as mulheres negras o índice subiu 22%.

O Atlas da Violência 2017, que analisou a evolução dos homicídios no Brasil entre 2005 e 2015 a partir de dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, mostra ainda que aconteceram 59.080 homicídios no país, em 2015. Quase uma década atrás, em 2007, a taxa foi cerca de 48 mil.

Este aumento de 48 mil para quase 60 mil mostra uma naturalização do fenômeno por parte do poder público. Daniel Cerqueira, coordenador de pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, explica que a naturalização dos homicídios se dá por processo históricos e econômicos de desigualdade no país, “que fazem com que a sociedade não se identifique com a parcela que mais sofre com esses assassinatos”, afirma.

Entre os estados, o de São Paulo foi o que apresentou a maior redução, 44,3%. Já no Rio Grande do Norte, a violência explodiu com um aumento de 232%.

Mulheres

Em 2015, cerca de 385 mulheres foram assassinadas por dia. A porcentagem de homicídio de mulheres cresceu 7,5% entre 2005 e 2015, em todo o País.

As regiões de Roraima, Goiás e Mato Grosso lideram a lista de estados com maiores taxas de homicídios de mulheres. Já São Paulo, Santa Catarina e Distrito Federal, ostentam as menores taxas. No Maranhão, houve um aumento de 124% na taxa de feminicídios.

Segundo o Atlas, em inúmeros casos, as mulheres são vítimas de outras violências de gênero, além do homicídio. A Lei Maria da Penha categoriza essas violências como psicológica, patrimonial, física ou sexual.

A Lei do Feminicídio, aprovada há dois anos, foi importante para dar mais visibilidade aos assassinatos de mulheres. As informações do número de feminicídios, porém, ainda não aparecem na base de dados do SIM, constando como homicídio de mulheres.

Segundo dossiê realizado pelo Instituto Patrícia Galvão, o feminicídio corresponde à última instância de poder da mulher pelo homem, configurando-se como um controle “da vida e da morte”.

Cerqueira entende que esta e outras categorizações de assassinatos, como o feminicídio, são importantes pois “desnudam o enredo por trás das mortes”. O Brasil ocupa a quinta posição em número de feminicídios num ranking de 83 países.

“A criação de políticas públicas passa pelos dados angariados através dessas categorizações”, afirmando que, para combater esses assassinatos, o Estado não deve apenas se concentrar em aumentar o número de policiais nas ruas.

Jovens

O Atlas mostra também que o assassinato de jovens do sexo masculino entre 15 e 29 anos corresponde a 47,85% do total de óbitos registrados no período estudado. Nessa mesma faixa etária, em Alagoas, foram 233 mortes para cada 100 mil homens. Em Sergipe, 230 homens para 100 mil.

Embora registre 197,4 casos por 100 mil habitantes, Rio Grande do Norte foi o estado que apresentou maior aumento na taxa de homicídios de homens nesta faixa etária, 313,8 %, no período entre 2005 e 2015.

Segundo o Índice de Vulnerabilidade Juvenil à Violência e Desigualdade, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública acrescentou ao indicador de violência de jovens um indicador de desigualdade racial.

A partir disso, constatou-se que os jovens negros entre 12 e 29 anos estavam mais vulneráveis ao homicídio do que brancos na mesma faixa etária. Em 2012, a vulnerabilidade alcançava mais que o dobro.

Em 2013, Espírito Santo saiu, pela primeira vez desde 1980, da lista dos cinco estados mais violentos do país, ocupando a 15ª posição nacional, em 2015. Segundo informações do Atlas, isso ganhou força devido ao Programa Estado Presente, de 2011, apesar da crise da greve dos policias militares no começo de 2017.

Fonte: Carta Capital
 

Centrais convocam trabalhadores para greve geral em 30/06

Seg, 05 de Junho de 2017 18:38 Sinasefe
Imprimir PDF
Na manhã desta segunda-feira (05/06), em São Paulo, as Centrais Sindicais se reuniram para definir o próximo período de lutas para derrubar as reformas trabalhistas e da Previdência e o (des)governo Temer. A Greve Geral foi convocada para o dia 30 de junho. Além disso, está marcado um Dia Nacional de Mobilização (o "esquenta") acontecerá no dia 20 de junho, com panfletagens convocando a Greve Geral.

Agenda

De 6 a 23 de junho, plenárias estaduais serão organizadas também para discutir a organização desta luta com as categorias e representantes das Centrais. As Assembleias também ocorrerão neste período, para que as diversas categorias referendem a data marcada para a Greve Geral. Um jornal unitário será produzido e distribuído no Dia Nacional de Mobilização: 20 de junho. Ficou definido, ainda, que uma nova reunião acontece neste próximo dia 7, no Dieese.

CSP-Conlutas defendeu 48h

Representaram a CSP-Conlutas os dirigentes membros da Secretaria Executiva Nacional da Central, Atnágoras Lopes, Luiz Carlos Prates, o Mancha, Magno Carvalho e Mauro Puerro.

Para Mancha, a necessidade de mantermos a mobilização diante da instabilidade política é mais do que necessária, e que o modo como ainda seguem tramitando os ataques aos trabalhadores no Congresso Nacional, nos exige organização de luta antes mesmo desta nova Greve Geral. “Existe um aprofundamento da crise política, temos uma situação do imponderável. Não sabemos o que acontece agora ou amanhã. Por outro lado, existe acordo entre setores patronais e a imprensa de que é necessário concretizar estas reformas. Independentemente de quem assume o plantão no governo, a tendência é que sigam com a agenda. Amanhã temos votação sobre a reforma trabalhista no CAE [Comissão de Assuntos Econômicos], temos mais duas comissões, mas o que fato é que a batalha nesse terreno continua. É necessário terminar este semestre numa posição de mobilização para fazermos algo superior à greve geral do dia 28”, destacou em reunião.

Apesar de as Centrais determinarem Greve de 24 horas, Mancha defendeu que “uma Greve Geral de 48 horas seria a melhor decisão para a mobilização”, relembrando que “em 89 começou assim, com um primeiro dia muito importante e que ganhou ainda mais força em seu segundo dia”. Como não houve consenso entre as demais Centrais, a CSP-Conlutas acordou com a data definida.

Confira o vídeo com a fala do dirigente

Nota conjunta

As Centrais divulgaram nota conjunta que detalha a agenda de mobilização para a preparação do dia 30 de junho. Leia o texto completo abaixo:

As Centrais Sindicais convocam a classe trabalhadora para um calendário de luta e nova GREVE GERAL dia 30 de junho

As centrais sindicais, (CUT, UGT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CGTB, CSP-Conlutas, Intersindical, CSB e A Pública- Central do Servidor), convocam todas as suas bases para o calendário de luta e indicam uma nova GREVE GERAL dia 30 de junho.

As centrais sindicais irão colocar força total na mobilização da greve em defesa dos direitos sociais e trabalhistas, contra as reformas trabalhista e previdenciária, contra a terceirização indiscriminada e pelo #ForaTemer.

Dentro do calendário de luta, as centrais também convocam para o dia 20 de junho – O Esquenta Greve Geral, um dia de mobilização nacional pela convocação da greve geral.

Ficou definido também a produção de jornal unificado para a ampla mobilização da sociedade. E ficou agendada nova reunião para organização da greve geral para o dia 07 de junho de 2017, às 10h na sede do DIEESE.

Agenda

– 06 a 23 de junho: Convocação de plenárias, assembleias e reuniões, em todo o Brasil, para a construção da GREVE GERAL

– Dia 20 de junho: Esquenta greve geral com atos e panfletagens das centrais sindicais

– 30 de junho: GREVE GERAL

Assinam as Centrais

CUT, UGT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CGTB, CSP-Conlutas, Intersindical, CSB e A Pública- Central do Servidor

Fonte: SINASEFE-DN, com informações da CSP-Conlutas
 

ATENÇÃO! Comunicado para os servidores que têm créditos a receber por exercícios anteriores

Seg, 05 de Junho de 2017 14:00 Sinasefe
Imprimir PDF
comunicadoimportanteA Diretoria Executiva do SINASEFE IFPA, ETRB e CIABA comunica aos sindicalizados que possuem créditos a receber por exercícios anteriores:

Não assinem nenhuma declaração ou qualquer documento que de alguma forma indique que não ajuizou e nem pretende ajuizar ação judicial pleiteando a vantagem. A medida é necessária para evitar que o servidores percam o direito ao pagamento de retroativos.

De acordo com as regras vigentes determinadas pela Portaria Conjunta nº 02, de 30/11/2012, editada pela Secretaria de Gestão Pública e pela Secretaria de Orçamento Federal do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), é possível efetuar o pagamento de até R$ 5 mil, pois são considerados de pequena monta.

Entretanto, não há previsão de pagamento para valores acima de R$ 5 mil, pois dependem de disponibilidade orçamentária do MPOG. Além disso, se no decorrer de 5 (cinco) anos o MPOG não aprovar a liberação do recurso aos servidores, o benefício prescreve.

Por isso, a Diretoria reforça o alerta para que os sindicalizados não assinem declaração de qualquer natureza: se assinarem, não há mais possibilidade de instruir processo administrativo ou judicial para o recebimento dos exercícios anteriores porque a administração reconheceu que está em dívida com os servidores.

Leia aqui o informativo da Assessoria Jurídica do Sindicato sobre a questão

Fonte: SINASEFE IFPA, ETRB e CIABA
Última atualização em Qua, 07 de Junho de 2017 13:33
 

Centrais Sindicais definem data da Greve Geral para o dia 30 de junho! Série de ações e Dia Nacional de Mobilização fazem o esquenta para o dia 30

Seg, 05 de Junho de 2017 13:22 Sinasefe
Imprimir PDF

Na manhã desta segunda-feira (5), na sede da Nova Central Sindical (NCST), em São Paulo, as Centrais Sindicais se reuniram para definir o próximo período de lutas para derrubar as reformas trabalhistas e da Previdência e o governo Temer.

Representaram a CSP-Conlutas os dirigentes membros da Secretaria Executiva Nacional da Central, Atnágoras Lopes, Luiz Carlos Prates, o Mancha, Magno Carvalho e Mauro Puerro.

A data da Greve Geral ficou marcada para o dia 30 de junho. Além disso, ficou definido que nova reunião acontece neste próximo dia 7, no Dieese, e a realização de um Dia Nacional de Mobilização que acontecerá no dia 20 de junho, com panfletagem a ser realizada no mesmo dia, no período da manhã.

De 6 a 23 de junho, plenárias estaduais serão organizadas também para discutir a organização desta luta com as categorias e representantes das Centrais. As Assembleias também ocorrerão neste período, para que as diversas categorias referendem a data marcada para a Greve Geral.

Confira a fala de Mancha, que relata as resoluções da reunião e a defesa da CSP-Conlutas para a relização de uma Greve Geral de 48 horas:



Para Mancha, a necessidade de mantermos a mobilização diante da instabilidade política é mais do que necessária, e que o modo como ainda seguem tramitando os ataques aos trabalhadores no Congresso Nacional, nos exige organização de luta antes mesmo desta nova Greve Geral. "Existe um aprofundamento da crise política, temos uma situação do imponderável. Não sabemos o que acontece agora ou amanhã. Por outro lado, existe acordo entre setores patronais e a imprensa de que é necessário concretizar estas reformas. Independentemente de quem assume o plantão no governo, a tendência é que sigam com a agenda. Amanhã temos votação sobre a reforma trabalhista no CAE [Comissão de Assuntos Econômicos], temos mais duas comissões, mas o que fato é que a batalha nesse terreno continua. É necessário terminar este semestre numa posição de mobilização para fazermos algo superior à greve geral do dia 28", destacou em reunião.

Apesar de as Centrais determinarem Greve de 24 horas, Mancha defendeu que "uma Greve Geral de 48 horas seria a melhor decisão para a mobilização", relembrando que "em 89 começou assim, com um primeiro dia muito importante e que ganhou ainda mais força em seu segundo dia". Como não houve consenso entre as demais Centrais, a CSP-Conlutas acordou com a data definida.

Uma nova reunião está agendada para esta quarta-feira (7), no Dieese, em São Paulo. Um jornal unitário será produzido e distribuído no dia Nacional de Mobilização, do dia 20 de junho, e plenárias, assembleias e reuniões acontecerão em todo o País no período de 6 a 23 de junho.

As Centrais divulgaram nota conjunta que detalha a agenda de mobilização para a preparação do dia 30 de junho. Leia o texto completo abaixo:

As Centrais Sindicais convocam a classe trabalhadora para um calendário de luta e nova GREVE GERAL dia 30 de junho

As centrais sindicais, (CUT, UGT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CGTB, CSP-Conlutas, Intersindical, CSB e A Pública- Central do Servidor), convocam todas as suas bases para o calendário de luta e indicam uma nova GREVE GERAL dia 30 de junho.

As centrais sindicais irão colocar força total na mobilização da greve em defesa dos direitos sociais e trabalhistas, contra as reformas trabalhista e previdenciária, contra a terceirização indiscriminada e pelo #ForaTemer.

Dentro do calendário de luta, as centrais também convocam para o dia 20 de junho – O Esquenta Greve Geral, um dia de mobilização nacional pela convocação da greve geral.

Ficou definido também a produção de jornal unificado para a ampla mobilização da sociedade. E ficou agendada nova reunião para organização da greve geral para o dia 07 de junho de 2017, às 10h na sede do DIEESE.

Agenda

– 06 a 23 de junho: Convocação de plenárias, assembleias e reuniões, em todo o Brasil, para a construção da GREVE GERAL.

– Dia 20 de junho: Esquenta greve geral com atos e panfletagens das centrais sindicais;

– 30 de junho: GREVE GERAL.

Assinam as Centrais

CUT, UGT, Força Sindical, CTB, Nova Central, CGTB, CSP-Conlutas, Intersindical, CSB e A Pública- Central do Servidor

Fonte: CSP-Conlutas

 

Câmara manobra e aprova Medida Provisória que restringe acesso aos direitos previdenciários

Seg, 05 de Junho de 2017 13:06 Sinasefe
Imprimir PDF
O governo já indicou que tentará de outras formas, ou seja, por meio de MP (Medida Provisória) impor as reformas da Previdência e trabalhista e essa manobra já começou.

Em 24 de maio, mesmo dia em que mais de 150 mil pessoas foram brutalmente reprimidas enquanto se manifestavam na Esplanada dos Ministérios contra as reformas e pela derrubada de Temer, no plenário, os deputados atacavam igualmente a classe aprovando MPs que retiram direitos.

Aproveitando-se do momento em que as atenções estavam voltadas para a repressão que acontecida, os deputados, a toque de caixa, aprovaram seis MPs.

Uma delas é a MP 767/17 que prevê a exclusão da perícia médica especial aos aposentados por invalidez e aos pensionistas inválidos com 60 anos ou mais. Com a medida, as concessões de auxílio-doença que não têm data de validade passam a ser encerradas após um prazo de 120 dias. O texto também retoma a regra que restringe o direito aos benefícios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) para quem fica sem contribuir por algum tempo.

Antes, quem perdesse a qualidade de segurado deveria pagar quatro meses de contribuição para voltar a ter direito ao auxílio-doença. O novo texto exige 12 meses de novos pagamentos, ou seja, esse prazo de carência foi ampliado, um verdadeiro absurdo.

Essa carência também foi estendida ao salário-maternidade de três para dez meses, no caso de o segurado perder qualquer uma dessas condições e retomá-la posteriormente.

A proposta mantém ainda em R$ 60 o valor do bônus especial pago aos médicos do INSS por perícia extra realizada. O Bônus Especial de Desempenho Institucional por Perícia Médica em Benefícios por Incapacidade vale por até dois anos ou até não haver mais benefícios por incapacidade com mais de dois anos sem perícia.

O objetivo do governo é fazer o que chama de “pente fino” nos auxílios. Em linhas gerais, os médicos peritos do INSS passarão a receber um bônus cada vez que negarem pedidos de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e salário-maternidade. Estas regras já estão valendo desde o ano passado e vêm sendo mantidas pelo governo graças à revalidação sucessiva de Medidas Provisórias.

Para Weller Pereira Gonçalves, do Setorial de Saúde do Trabalhador da CSP-Conlutas e metalúrgico de São José dos Campos, é um absurdo o que o governo vem impondo contra a classe trabalhadora.  Essa medida é uma sequência de muitas que podem vir se não continuarmos resistindo. “Chamamos a todas as centrais sindicais para fazer a greve geral de 48 horas, só assim conseguiremos de fato barrar todos estes ataques contra os trabalhadores”, salientou.

Fonte: CSP-Conlutas, com informações do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e da Câmara dos Deputados
 

PEC que retoma estatuto do nascituro e veta aborto legal segue em trâmite no Congresso

Sex, 02 de Junho de 2017 13:04 Sinasefe
Imprimir PDF
A PEC 29/2015 volta a ser discutida no Congresso Nacional e retoma ideias antes dispostas no Estatuto do Nascituro, proposto em 2007, que defendia que o ser humano ainda não nascido possuía proteção jurídica, direito à vida, à integridade física, à honra, à imagem e de todos os demais direitos da personalidade. Além disso, o estatuto determinava que, além de não poder abortar em caso de estupro, a vítima teria de conviver com o estuprador, que seria responsável por pagar pensão à mulher.

Não muito diferente, a PEC 29, que propõe alteração no artigo 5º da Constituição Federal, defende que a vida do cidadão deve ser preservada desde o momento da concepção. O que, na prática, também significa veto ao aborto legal. Além do resultante por estupro, pode impedir o aborto seguro para casos em que há risco de morte para a mãe ou se o feto é anencéfalo ou possui outra grave doença incompatível com o ambiente extrauterino.

O projeto segue em tramitação no Congresso após ser colocado em pauta, no dia 16 de abril, na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Na proposta, que tem como relator atual o Senador Eduardo Amorim (PSC-SE), no capítulo da Constituição em que são indicados os termos dos direitos e garantias fundamentais, e direitos e deveres individuais e coletivos, acrescenta-se ao trecho sobre a garantia da “inviolabilidade do direito à vida” a condição de “desde a concepção”.

Se há casos específicos do aborto legalizado, em que é permitida a retirada do feto nas primeiras 24 semanas, com esta proposta de alteração na Constituição, até mesmo a mulher que estiver em condições legais para a realização do aborto poderá ser criminalizada. “Em poucos dias de gestação o coração já esta funcionado. Entre 11 e 12 semanas todos os órgãos já estão presentes no corpo da criança. Atualmente é cientificamente possível garantir a perfeita sobrevivência de uma criança nascida de um parto com apenas 18 semanas de gestação, algo completamente impossível na década de 80”, conforme consta na proposta.

A alegação de que a PEC garante o direito à vida, é uma farsa. Se aprovada, a proposta deve elevar os números de mortes de mulheres que buscam clandestinamente realizar o aborto. E o que se vende como uma evolução na Constituição, mascara ação retrógrada que permite judicialização e criminalização para casos que hoje são legais e muito restritos. “Portanto, este pequeno acréscimo, de apenas um termo esclarecendo ao artigo 5º, adéqua nossa Constituição Federal aos atuais avanços científicos e terá o poder de garantir o direito à vida de milhares de crianças brasileiras que são assassinadas por falta de proteção jurídica”, compreende o documento.

E de nada tem servido o avanço tecnológico para salvar a vida das mulheres ou das crianças. As taxas de mortalidade infantil continuam afetando as áreas mais pobres do país. A região norte, por exemplo, em última pesquisa do IBGE, divulgada em 2016, apresentou taxas de mortes de crianças de até 1 ano da média nacional de 12,9 óbitos para cada mil nascimentos. Em Roraima, o índice de bebês que morrem antes do primeiro aniversário é de 20,2 para cada mil nascidos vivos – mais que o dobro do que é considerado aceitável pela OMS. Agravado pela corrupção e corte nos orçamentos da saúde, fica evidente que usar o avanço tecnológico para justificar mais esta tentativa de criminalização do aborto é uma falácia.

Para Marcela Azevedo, da Executiva Nacional do Movimento Mulheres em Luta, “quanto mais se aprofunda a crise econômica e política no país, maiores são as tentativas de fazer com que os setores oprimidos e super explorados paguem a conta”. “Essa PEC, que resgata a ideia do Estatuto do Nascituro, quer impor às mulheres trabalhadoras uma submissão absurda, no intuito de nos desmoralizar e nos retirar das ruas e da resistência contra todos os ataques aos nossos direitos”, alerta.

Segundo dados publicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em maio deste ano, mais 1.2 milhões de adolescentes morrem por ano. As mulheres entre 15 e 19 anos morrem mais por complicações na gravidez como hemorragia, infecção generalizada e complicações no parto ou decorrentes de abortos inseguros. A mesma organização apontou que, a cada dois dias, uma brasileira morre por aborto inseguro.

Por isso, é necessário seguir na luta para mostrar que são as mulheres as que mais morrem por falta de proteção jurídica, e que é pelo direito à vida que o aborto deve ser legalizado. Para tratar a questão, é necessário empenho focado na educação, no acesso e incentivo do uso de anticoncepcionais, e na garantia do aborto legal e seguro para evitar as milhares de mortes de mulheres. “Nosso lugar é na luta e dela não abrimos mão. Vamos barrar essa PEC, o governo e seus aliados, construindo uma forte Greve Geral de 48 horas no Brasil”, concluiu Marcela.

Fonte: CSP-Conlutas
 

Centrais Sindicais indicam nova Greve Geral no final de junho e atividades nos estados contra as reformas

Qua, 31 de Maio de 2017 11:46 Sinasefe
Imprimir PDF
As Centrais Sindicais reunidas na tarde desta segunda-feira (29) deliberaram a continuidade das lutas contra as reformas de Temer. Uma nova Greve Geral no período de 26 a 30 de junho é a principal resolução. Contudo, a data exata só será definida nos próximos dias, levando em consideração a tramitação das reformas no Congresso Nacional.

Até lá as mobilizações serão mantidas nos estados. Aeroportos, locais de trabalho, praças públicas, escolas, universidades. Serão feitas panfletagens, atos e outras ações contra as reformas da Previdência e trabalhista e a lei de terceirização. Uma comissão estará no Senado para pressionar os parlamentares para que arquivem os projetos. Um novo jornal de quatro páginas será lançado para organizar a luta.

As Centrais também mantêm a bandeira unitária pelo Fora Temer.

A CSP-Conlutas defendeu a convocação imediata de uma Greve Geral de 48 horas, principalmente pelo fato de ter havido acordo que há um acúmulo das mobilizações realizadas e de que foi positiva a manifestação em Brasília. "Infelizmente não houve acordo diante das 48 horas, de qualquer maneira a CSP-Conlutas se empenhará para organizar desde a base, as escolas, os locais de trabalho e os comitês uma nova Greve Geral", frisou Luiz Carlos Prates, o Mancha, da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, quem representou a Central na reunião.

As Centrais presentes repudiaram a repressão policial que houve em Brasília e consideram que a atividade foi vitoriosa no processo de organização de uma mobilização nacional unitária dos trabalhadores brasileiros.

Com iniciativas desde o ano anterior, em 2017 é importante mencionar as expressivas lutas construíram a unidade dos trabalhadores e trabalhadoras no país. O Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, foi fundamental para o sucesso do 15 de março, dia Nacional de Paralisações e Lutas. O 28 de abril coroou esse acúmulo com a realização de uma Greve Geral que parou em torno de 40 milhões de trabalhadores no país. Assim como a marcha que levou a Brasília em torno de 150 mil trabalhadores, movimentos sociais e juventude.

Também participaram da reunião os dirigentes da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas Gibran Jordão e Magno Oliveira.

Nova reunião das Centrais Sindicais deve ocorrer no dia 5 de junho.

Confira o calendário inicial:

01 a 25 de junho - Panfletagens e atividades públicas contra as reformas;

05 de junho - Nova reunião das centrais sindicais;

Entre 26 e 30 de junho - Greve Geral dos trabalhadores brasileiros (a data exata será definida nos primeiros dias do mês).

O SINASEFE reforça a importância do fortalecimento das mobilizações contra as reformas e a retirada de direitos neste mês que se inicia. Materias do sindicato nacional contra a Reforma da Previdência estão disponíveis para download aqui. Também é possível obter cartilhas, vídeos e textos na Campanha Contra Reforma da Previdência elaborada pela CSP-Conlutas.

Fonte: SINASEFE-DN, com informações da CSP-Conlutas (confira aqui a matéria)
 

Assistente de Aluno de nível C para nível D: apoie esse ideia no site do Senado

Ter, 30 de Maio de 2017 11:35 Sinasefe
Imprimir PDF
O portal do Senado Federal está com uma ideia legislativa em sua seção e-Cidadania que trata da racionalização de um dos cargos do PCCTAE (Lei 11.091/2005).

Racionalização do cargo de assistente de aluno

Trata-se da passagem do cargo de assistente de aluno da letra C para a letra D do plano de carreira dos técnico-administrativos em educação da Rede Federal de Ensino, beneficiando milhares de servidores que estão com déficit salarial por erro no enquadramento da carreira.

Quórum

A ideia legislativa precisa receber, no mínimo, 20 mil apoios para tornar-se uma sugestão legislativa e entrar em debate junto aos senadores da república.

Vote na consulta

Clique aqui e vote nessa consulta, ajudando a visibilizar a necessidade de racionalização dos cargos do PCCTAE junto ao legislativo nacional.

Conteúdo relacionado

>> Petição pode fazer Senado levar a demanda do RSC dos TAE para tramitação: assine (05/09/2015)

Fonte: SINASEFE-DN
 


Página 5 de 152

Agenda SINASEFE

banner sindicalize se

Receba em seu e-mail Boletins e atualizações de nosso site.

tabela docentes

tabelatae1617

tabelaauxilios

CapaJC 06 17

SINASEFE – SEÇÃO SINDICAL DO IFPA E ETRB

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. 
CGC: 03658820/0034-21 Filiado à CEA

Trav. Timbó, nº 2718 - Marco-CEP:66.093-340-Belém-PA
Fones: (91) 3246-1726 / 3266-3033
E-mail:  sinasefepa@gmail.com
 

 twitterfacebookyoutube


CompanySites.com.br