Mercado de trabalho em crise: país registra aumento do desemprego e da informalidade

Sex, 02 de Fevereiro de 2018 15:09 CarolPombo
Imprimir PDF
Uma das mentiras ditas pelo corrupto presidente Temer é que a lei que ampliou a terceirização e as reformas, como a Trabalhista e da Previdência, visam gerar empregos e que a economia, inclusive, já começa a reagir. Pesquisa do IBGE divulgada essa semana desmente esse discurso, revelando, ao contrário, que em 2017 o país registrou aumento do desemprego e da informalidade.

De acordo com a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), que abrange tanto os empregos com carteira assinada, quanto os sem carteira, a taxa de desemprego em 2017 ficou em 12,7%, um resultado recorde da série histórica da pesquisa, iniciada em 2012.

Em comparação com 2016, o número de desempregados cresceu 1,47 milhão de pessoas. Esse índice equivale a 13,23 milhões de pessoas sem trabalho, o maior nos últimos seis anos.

Os setores que mais demitiram foram a indústria e a construção civil. A indústria perdeu 1,5 milhão de trabalhadores desde 2014, com o agravamento da crise econômica. Nesse mesmo período de comparação a construção civil perdeu 964 mil trabalhadores.

Informalidade

A Pnad traz ainda outro dado alarmante. Considerando postos de trabalho com carteira assinada e também os sem carteira, o ano de 2017 encerrou com um saldo positivo de 1,8 milhão de postos de trabalho. Contudo, essas vagas geradas são “sem carteira assinada” ou “por conta própria”, com salários menores.

Segundo a pesquisa, os postos com carteira reduziram em 685 mil, enquanto conta própria cresceram em 1,07 milhão e sem carteira, 598 mil. A soma dos trabalhadores sem carteira (11,1 milhões) e por conta própria (23,1 milhões) superam em quase 1 milhão o contingente com carteira assinada (33,3 milhões).

Uma das consequências dessa situação é o impacto na Previdência. Também segundo a Pnad, somente em 2017, 1,09 milhão de pessoas deixaram de contribuir para a Previdência Social.

Leia também: Sob mudanças da Reforma Trabalhista, ano de 2017 encerra com fechamento de postos de trabalho

Mercado precarizado

“Os dados revelam que enquanto o governo comemora uma suposta geração de empregos, o que se constata é que o desemprego segue recorde e as poucas vagas geradas, não só não reduzem significativamente a massa de trabalhadores sem emprego, como são de péssima qualidade. São trabalhos informais, precários e com baixos salários”, analisa o integrante da Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas Paulo Barela.

“Foram perdidos postos na indústria para serem criados trabalhos informais (sem carteira assinada) e por conta própria, tais como os vendedores de quentinhas e carrinhos de lanches nas ruas. Esse é o resultado da Reforma Trabalhista e da lei da terceirização que precarizam as condições de trabalho no país e da política do governo que joga a crise sobre os trabalhadores”, disse.

“Por isso, a CSP-Conlutas segue na luta para revogar as medidas já aprovadas, como a Reforma Trabalhista e a lei da terceirização, bem como barrar a Reforma da Previdência. É preciso uma Greve Geral para barrar esses ataques, por para fora Temer e mudar os rumos do país”, concluiu Barela.

Fonte: CSP-Conlutas, com informações: Agência Brasil e Folha de S.Paulo

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Agenda SINASEFE

banner sindicalize se

Receba em seu e-mail Boletins e atualizações de nosso site.

tabela docentes

tabelatae1617

tabelaauxilios

CapaJC 11 17

SINASEFE – SEÇÃO SINDICAL DO IFPA E ETRB

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. 
CGC: 03658820/0034-21 Filiado à CEA

Trav. Timbó, nº 2718 - Marco-CEP:66.093-340-Belém-PA
Fones: (91) 3246-1726 / 3266-3033
E-mail:  sinasefepa@gmail.com
 

 twitterfacebookyoutube


CompanySites.com.br